Controle de Formigas Cortadeiras

Reconhecimento das Formigas Cortadeiras

Existem dois tipos de formigas cortadeiras, as Saúvas (Atta) e as Quenquéns (Acromyrmex).

Diferenças entre Atta (saúvas) e Acromyrmex (quenquéns)
Atta (Saúvas)
Acromyrmex (Quenquéns)
Operária com 3 pares de espinhos no dorso do tórax
Operária com 4 ou 5 pares de espinhos no dorso do tórax
Tamanho maior (12 a 15 mm)
Tamanho menor (8 a 10 mm)
Ninhos grandes (muitas panelas)
Ninhos pequenos (1 ou 2 panelas)
Ninho com monte de terra solta aparente
Ninho sem monte de terra solta aparente
                                                                                                                                                        
                            
                                



Etapa para executar o controle de Formigas Cortadeiras

Controle Químico
As iscas formicidas consistem de uma mistura de substrato atrativo, polpa cítrica principalmente, e um ingrediente ativo tóxico com ação inseticida.


• Localizar o formigueiro
• Estimar o tamanho do formigueiro medindo a área de terra solta (m2)
• Para a Saúva parda o cálculo da área deve incluir também as rosetas e discos.
• A área de terra solta é calculada multiplicando-se o maior comprimento (C) pela maior largura (L) do murundum.
• Para calcular a quantidade de produto necessário:
Multiplica-se a área encontrada pela dose recomendada pelo fabricante do produto. Ex.: Dose recomendada 10g/m2, assim um formigueiro de 5 metros de comprimento por 3 metros de largura, terá uma área de 15 metros quadrados: 5x3=15m2, onde 15m2x10gramas=150 gramas de produto por formigueiro.
• Para as quenquéns, aplicar uma dose única recomendada sem a necessidade de medição da área de terra solta. (Exemplo: 50 gramas).
• As iscas formicidas são aplicadas diretamente da embalagem, sem o contato manual da seguinte forma:
• distribuir ao lado das trilhas, sem interromper a passagem das formigas e ao lado dos olheiros ativos próximos ao murundum.
• eventualmente pode-se aplicar em olheiros sobre o murundum, desde que não haja movimentação de terra solta, com exceção de Atta capiguara (saúva parda) e Atta bisphaerica (saúva mata-pasto).
• As iscas não devem ser aplicadas dentro dos olheiros, pois o produto deve ser carregado pelas formigas.
OBS:  Procurar utilizar veneno menos tóxico, porque funciona melhor no controle do formigueiro.
Produtos em pó controlam melhor formigueiros pequenos.
Procurar colocar as iscas granuladas dentro de uma garrafa Pet cortada ao meio para proteger da umidade, colocando próximo do carreiro e não em cima do mesmo.


 
formigueiro de Saúva


Figura 1: Exemplo de como medir a área total de um formigueiro, vemos acima vários olheiros, mede-se o comprimento x largura da área que compreende todos os olheiros.
 
formigueiro de sauva Capiguara



Figura 2: Para a Capiguara (saúva parda), o cálculo da área deve incluir o monte de terra solta, as rosetas e os discos existentes ao seu redor.

Etapa para executar o controle de Formigas Cortadeiras

Controle Natural

  • Com folhas de Mamoneira
Tanto o caule como as folhas de mamoneira apresentam propriedades inseticidas, e quando cortadas e deixadas no terreno, evitam a proliferação das pragas de solo. O preparo da calda de folhas de mamoneira é bastante simples, observada a proporção de 4 folhas verdes de mamoneira para cada litro de calda a ser preparada. Retira-se os talos, tritura-se as folhas, e mistura-se a água, deixando em repouso, em local protegido de luz, por cerca de 12 horas. Banhar ou pulverizar as áreas infestadas de pragas e doenças. Formigueiros podem ser exterminados regando-se com fartura todos os seus olheiros. O cupim de montículo deverá ser perfurado, com auxílio de um cano de ferro de ponta chanfrada, injetando a solução dentro do cupinzeiro.

ATENÇÃO:

Nunca pulverize e/ou banhe lavouras nos períodos mais quentes do dia, pois pode queimar as plantas. Aplique nas primeiras horas da manhã ou ao final da tarde.
As sementes de mamoneira contém rícino, um alcalóide extremamente tóxico para animais e seres humanos. As folhas possuem uma concentração bem menor da toxina. Pessoas alérgicas não devem entrar em contato com a calda de mamoneira.



  •  Adubar as plantas e árvores com Molibdênio, pois permite que a planta forme proteínas, ficando pouco atrativa para as saúvas. Poderá ser aplicado via foliar Molibdênio 0,5%  (uma vez).
  • Preparado de Agave. Uma alternativa é fazer um concentrado de folhas de agave ou piteira, pegando 5 folhas médias e 5 litros de água. Moer as folhas, extrair o suco e deixar em descanso por 2 dias. Aplicar 2 litros no olho principal e tapar os demais para que as formigas não fujam.
  •  Extrato de plantas: Angico. Deixar de molho l kg de folhas de angico em 10 litros de água por 8 dias. Aplicar na proporção de 1 litros desta solução por metro quadrado de formigueiro. Outras plantas que podem ser amassadas, extraindo o suco e diluindo com água: capim fedegoso, timbó, batata-doce e pessegueiro bravo.
  • Pão caseiro. Colocar pedaços pequenos de pão caseiro embebido com vinagre próximos às suas tocas/ninhos/carreadores e onde estão cortando. Ele fermenta e é tóxico para as formiga. 
  •  Colocar cal virgem no olheiro, derramar um pouco de água e tampar, que vai formar gazes que afetarão as formigas. Pode ser feito a diluição de 2 kg de cal virgem em 10 litros de água e imediatamente aplicar nos olheiros principais. Tomar cuidado com a queima da cal virgem, pois emite gases e desprende muito calor.
  • Usar cones invertidos de latas, folhas metálicas ou saias plásticas nos troncos das árvores e mudas.
  • Há produtos que inibem o crescimento do saúveiro, como sal, cinza, vinagre, cal e calcário. Cuidado no emprego em larga escala em jardins ou hortas, pois o excesso inibirá também as plantas.
  • Colocar mangueira com água corrente no olho do formigueiro até encharcar. O formigueiro ficará afogado ou doente.   
  •  Borax: Misturar 500 gramas de Borax a 500 gramas de açúcar, e colocado nos carreadores e olheiros. Recomendado também para formigas comuns e baratas. 
  •    Formicida natural: 50 litros de água, 10 kg de esterco fresco, 1 kg de melado ou açúcar mascavo. Misturar bem os produtos, deixando fermentar por uma semana. Coar com um pano e aplicar dentro do formigueiro na proporção de 1 litro para 10 litros de água, até inundar o formigueiro.
  • Plantas tóxicas: mandioca-brava, utilizando a água da mandioca e sua raspa, aplicados diretamente nos formigueiros. O gergelim preto, cuja semente é carregado pelas formigas, tendo uma ação tóxica lenta.

Substâncias repelentes

Diversas substâncias, como casca de ovo, farinha de osso e carvão vegetal quando reduzidos a pó fino e distribuídos em forma de estreita camada ao redor dos canteiros funcionam como protetores de plantas. Em locais com elevada umidade do ar este processo não funciona, pois a umidade agrega as partículas, facilitando a passagem das formigas e eliminando o efeito repelente destas substâncias.

Plantas atraentes (culturas armadilhas)

Plantas atraentes ou pasto alternativo, para funcionarem como isca: leucena, cana de açucar e o gergelim preto.

 Uso de Porta Iscas

Um porta-iscas deve atender aos seguintes requisitos: comportar uma quantidade relativamente grande de isca; proteger as iscas contra a chuva, umidade e animais silvestres; permitir uma ventilação eficiente, para que não ocorra condensação de vapor de água e permita a liberação do odor da isca para a atratividade; evitar o aquecimento interno, que seria prejudicial à isca; possibilitar o controle preventivo e intensivo dos sauveiros, mesmo que sejam de difícil localização. Existem dois tipos de porta-iscas, o convencional e o micro-porta-iscas (MIPI).

a) Porta-iscas convencional (Copo)


O porta-iscas consiste em copos de papel parafinado externamente, de formato cônico, com dimensões de 6,0 x 6,0 x 7,0 cm, respectivamente, diâmetro da base, altura e diâmetro da boca. Possuem 6 orifícios laterais eqüidistantes de um centímetro de diâmetro.
De acordo com os autores, a isca é envolvida em plástico transparente de 25 x 25 cm, 0,2 mm de espessura, que é colocado dentro do copo e este é tampado. Este plástico é banhado anteriormente em água açucarada, na concentração de 40 gramas de açúcar para um litro de água, atuando como atrativo às formigas, reduzindo em média para duas a quatro horas a localização do porta-iscas pela formiga , ao passo que sem o atrativo, o porta-iscas permanece de 10 a 30 dias até ser descoberto, podendo ocorrer perda das iscas por penetração de umidade.

b) Micro-porta-iscas (MIPI)

O porta-iscas MIPI, consiste em um saquinho plástico, que contém em seu interior determinada quantidade de isca formicida, com as dimensões de 6 x 8 cm, com espessura de 0,06 mm, na cor juta, que permite que o saquinho confunda-se com as folhas que estão no solo. A dosagem de isca normalmente utilizada é de 10 gramas por recipiente plástico, com preferência para a micro-isca granulada, para facilitar o controle de quenquéns.
O Porta-isca para formigas protege os formicidas da ação do tempo aumentando a durabilidade e eficiência


c) existe atualmente no mercado o produto de marca MEBIO® que é um porta isca de elevado conceito ecológico, não tendo em sua composição a presença de plástico. Este produto também tem o formato sache e é composto de papel parafinado com atrativo externo de alta especificidade às formigas cortadeiras

Controle com Porta-Isca em Área de Cultivo Florestal 

O controle deve ser preventivo, realizado 5 dias antes do plantio, usar porta-iscas ou sachês impermeáveis e biodegradáveis com isca granulada, distribuir na entre linha,  distanciados em 3 metros, pular 3 linhas e repetir a distribuição. O  consumo médio deve ser  de 80 a 120 porta-iscas/ha. No controle pós-plantio deve-se distribuir porta-iscas a cada 5 linhas, colocar 1 porta-isca extra no local que observar danos de formiga nas mudas, fazer acompanhamento na área e, se apresentar reinfestação, repetir o tratamento a cada 30 dias. Também pode ser utilizada fumigação, em infestações maiores em determinadas áreas. É imprescindível a utilização de EPI (Equipamento de proteção individual), pois além das iscas terem toxidade elevada, as formigas não carregam iscas com quaisquer essências diferentes da original (cheiro de sabonete nas mãos, óleo diesel, gasolina, e outros), portanto até mesmo seu armazenamento deve ser bem acondicionado e a utilização de luvas já seria o suficiente.
OBS:  Marca-se com estaca os olheiros antes de plantar as mudas e faz o controle com porta isca e granulados na área sem mexer nos olheiros, depois de uns 5 dias volta e olha se parou a atividade nos formigueiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...